Tópicos em alta: polícia / chuva / crise fiscal

Pra matar saudade da esfirra do Baalbek

Por Airton Soares

03/01/2019 às 08h52

  Na galeria Phintias Guimarães, conhecida também como Galeria do Beco, no Centro de Juiz de Fora, existiu um boteco que servia uma das melhores esfirras da cidade: o Baalbek, que se auto intitulava o “shopping da sfiha”. Por lá comia-se esse tradicional prato da cozinha árabe de massa fina, muito bem recheada e com vários sabores. Sempre fresquinhas, afinal, a vitrine que ficava na frente do bar era continuamente renovada pelas cozinheiras, devido ao intenso movimento de clientes no local, que apesar de pequeno, ficava sempre lotado.

O antigo Baalbek, fechado em 2015 – Foto Tiago Rattes

  Infelizmente, o Baalbek encerrou as atividades em 2015 e deixou muitos consumidores, verdadeiros fãs de suas comidinhas, “órfãos” de suas esfirras, quibes e outros pratos tão queridos por todos, como o pernil assado que tinha data e hora para ser servido e, se você demorasse um pouco, perdia um dos melhores sandubas de pernil que já existiu aqui na cidade. E a deliciosa esfirra de agrião só existia por lá também.

  Dias atrás, bateu um saudosismo e falei dessa lanchonete na minha página @butecosdejf, e a seguidora Ana Márcia Duarte deu a dica: as esfirras ainda existem, tal como eram preparadas e servidas no Baalbek, mas agora em outro endereço.

  Fui apurar a informação recebida e me deparei com uma estufa lotada de esfirras, as mesmas de outrora, num endereço nem tão longe do original e posso afirmar que eu quase chorei de emoção ao vê-la ali, “exibindo-se” na nova vitrine da lanchonete de nome bem oportuno Chora Morena, na Rua Mister Moore, na esquina da galeria dos Previdenciários.

  A história é a seguinte: a Maria Aparecida Costa Santos, que todos conhecem como Cida, foi cozinheira no Baalbek durante 25 anos, entrando lá em 1990 e permanecendo até o fim do bar. Logo depois foi contratada pelo Rogério José Sales que é dono do Chora Morena, e assim a mais tradicional esfirra de Juiz de Fora reviveu pelas mãos dessa habilidosa e competente cozinheira, que aprendeu a receita diretamente com os libaneses donos do antigo bar e soube preservar todos os segredos até hoje.

Cida e Rogério, no Chora Morena, com suas esfirras.

O conteúdo continua após o anúncio

Quer mais noticia bacana? Pois o Rogério é irmão do dono do antigo Baalbek e também está preservando a tradição do pernil assado servido em sanduiches exclusivamente aos sábados, pontualmente às 11h, como manda a tradição.

  Essa é a primeira publicação de 2019 propositalmente, só para poder dizer que, de fato, neste ano temos renovadas as esperanças com essa ótima notícia que recebi. Desejo a vocês, caro leitor e cara leitora, que o bom tira-gosto esteja presente em todas as mesas de bares, botecos e restaurantes nesse novo ano que se inicia. Vamos juntos?!

 

Chora Morena

Rua Mister Moore 131. Seg a Sex 7h as 19h30. Sab 8h as 14h. Telefone: 3213-1504

 

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.

Desenvolvido por Grupo Emedia